sábado, 22 de novembro de 2008

Os gigantes da Patagônia

Imagem acima extraída da http://en.wikipedia.org/wiki/Patagon
último cacique Huake da tribo aónikenk de Camusu Aike
Imagem acima extraída do site: http://www.limbos.org/sur/tehue.htm
Índios Tehuelche, apelidados por Magalhães de Patagões
Em Agosto de 1519, o navegador português Fernão de Magalhães, à serviço da coroa esponhola iniciou a primeira viagem ao redor do mundo, viagem esta, que possibilitou a descoberta de novas rotas de navegação e a descoberta do Estreito de Magalhães. Ele comandava cinco navios e 237 homens. Antônio Pigafetta, que sobreviveu a viagem foi o cronista desta aventura. A viagem se encerrou em 1522 com somente um navio e sem já contar com o capitão Fernão de Magalhães que fora tragicamente morto por nativos da Filipina.
Nesta sua viagem Fernão de Magalhães e sua tripulação atracaram por muitos dias no litoral argentino nas regiões hoje conhecidas como Patagônia e Terra do Fogo.
O Nome Patagônia têm origem na descoberta dos nativos desta terra, índios Tehuelches. Leia o relato de Pigafetta, vale a pena:

19 de Maio de 1520 - Porto de San Julián - Distanciando-nos destas ilhas para continuar nossa rota ao 49 graus e 30 min de latitude meridional, onde enontramos um porto. E como o inverno se aproximava, julgamos ser aconsenselhável passar ali aquela má estação.
Um gigante - Transcorrerram dois meses sem que víssemos nenhum habitante do país. Um dia, quando menos esperávamos, um homem de figura gigantesca se apresentou ante nós. Estava sobre a areia, quase nu, e cantava e dançava ao mesmo tempo, jogando poeira sobre a cabeça. O Capitão enviou à terra um dos nossos marinheiros, com ordem de fazer os mesmos gestos em sinal de paz e amizade, o que foi muito bem compreendido pelo gigante, que se deixou conduzir a uma pequena ilha, onde o capitão havia descido. Eu me encontrava ali com muitos outros. Deu mostras de grande estranheza ao ver-nos e levantando o dedo queria dizer que acreditava que nós havíamos descido do céu.
Sua figura - Este homem era tão grande que nossas cabeças chegavam apenas até à cintura. De porte formoso, seu rosto era largo e pintado de vermelho, exceto os olhos, que eram rodeados por um círculo amarelo e dois traços em forma de coração nas bochechas. Seus cabelos , escassos, pareciam branqueados por algum pó.
Seu traje - Seu vestido, ou melhor dito, seu manto, era feito de peles muito bem costuradas, de um animal que abunda no país.
Animal estranho - Este animal tem a cabeça e orelhas de mula, corpo de camelo, patas de cervo e cauda de cavalo e relincha como este.
Seus costumes - Usam os cabelos cortados em auréola como os frades, porém mais longos e presos em volta da cabeça por uma corda de algodão, na qual colocam as flechas quando vão caçar. Se faz muito frio, prendem estreitamente contra o corpo suas partes naturais.
Sua religião - Parece que sua religião se limita à adoração do diabo. Julgam que quando um deles está morrendo, aparecem dez ou doze demônios cantando e dançando ao seu redor. O demônio que provoca maior alvoroço e que é o chefe maior dos diabos é Setebos. Os demônios pequenos são chamados Chelele.
(....)
Nosso capitão chamou a este povo de Patagões (devido ao tamanho de suas patas).

Trechos extraídos do diário da expedição de Fernão de Magalhães, conhecida como a primeira vigem de circunavegação ao redor do mundo, escrito por Antônio de Pigafetta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação e opinião.