quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Motocicleta: menos efeito estufa


Logo que nos inscrevemos como colaboradores da campanha Blog Action Day, a primeira coisa que nos veio a mente foi descobrir quanto nós motociclistas contribuímos ou agravamos o efeito estufa ao pilotarmos nossas motocicletas.


O tema era polêmico e ao pesquisar na internet encontramos no site motociclismo online um texto de Rafael Miotto, publicado em 31/07/09, muito completo, esclarecedor e recente a respeito do tema. Tomamos a liberdade de postá-lo. Vale a pena a sua leitura:

O CO2 emitido pelas motos corresponde a 1/3 do valor lançado por carros no ar. Se existe uma coisa que pode ser considerada realmente democrática são os gases presentes em nossa atmosfera. Ricos, pobres, homens, mulheres e crianças, todos respiram as mesmas substâncias gratuitamente, sem, às vezes, dar importância. A verdade é que pouco a pouco estamos nos envenenando, como em uma garagem fechada com um veículo à combustão ligado.
Só que em proporções muito maiores, fazemos o mesmo com o precioso ar, responsável por nos manter vivos. Atualmente, energias renováveis e ecologicamente corretas estão em evidência. No entanto, poucas coisas realmente chegam ao mercado. Além disso, às vezes, mensagens erradas são passadas através da mídia, colocando a motocicleta como uma das principais poluidoras. Isso, em parte, foi verdade há tempos atrás. Entretanto, com a introdução do Promot (Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares), em 2002, a história começou a mudar.
"O Proconve (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores) começou há 20 anos. As motos tiveram muito menos tempo para se adaptar, mas agora com o Promot, elas já se igualaram aos carros", esclarece Moacyr Alberto Paes, diretor executivo da Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares). Seguindo os padrões das normativas de poluentes européias, o Promot chegou a sua 3ª fase em 2009.
E com as vendas de motocicletas em alta, no ano passado foram comercializadas quase 2 000 0000 de unidades, é questão de tempo para as motos com as antigas regras serem substituídas. Para melhorar ainda mais, com o lançamento da CG 150 Titan Mix — 1ª moto bicombustível em série produzida no mundo —, os índices caíram mais ainda. Por exemplo, a Mix apresenta números bem abaixo dos exigidos.
Abastecida 100% com álcool, a nova Honda emite na combustão 0,444 g/km de CO (monóxido de carbono). Esse gás é proveniente da queima incompleta de combustíveis e pode matar uma pessoa asfixiada. Ficar exposto repetidamente ao CO causa problemas de visão e cardíacos, entre outros. "Sempre temos preocupação com o meio ambiente e procuramos estar um passo à frente. Por isso, a CG Mix está com níveis bem abaixo do Promot3", explica Alfredo Guedes, engenheiro da Honda.
Mas não é somente o monóxido de carbono que preocupa. Os veículos liberam também hidrocarbonetos (HC), óxido de nitrogênio (Nox) e dióxido de carbono (CO²). Esse último, conhecido como gás carbônico, é vital. Contudo, em excesso, pode ser fatal. De acordo com o Greenpeace, a temperatura média do planeta é de 15ºC e isso só ocorre graças ao dióxido de carbono com o seu efeito estufa. Se isso não ocorresse, a Terra teria por volta de -17ºC.
Entretanto, mesmo parte do gás sendo reciclado pela fotossíntese das plantas, sua produção excessiva causa prejuízos inimagináveis. Quanto mais acumula-se na atmosfera, maior é a retenção do calor solar e, conseqüentemente, aumenta-se a temperatura do planeta. No século passado, a média global aumentou 0,7%. À primeira vista, podemos não nos impressionar com o número. No entanto, caso continue nesse ritmo, o ambiente se tornará mais hostil, com o aumento dos níveis dos oceanos — devido ao degelo — e as tempestades ficarão intensas.
Em relação às emissões de CO², as motos são menos poluentes, comparando-se com os automóveis. Levando em conta a importância desse fator, na Europa, os veículos que têm emissões de gás carbônico mais baixas pagam menos impostos. No Brasil, dados do Relatório de Qualidade do Ar no Estado de São Paulo, realizado pela CETESB (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental), em 2006, esclarecem que um carro flex com motor entre 1.0 e 2.0, emite uma média de 177 g/km de CO². Enquanto isso, uma moto de 150 cm³ ou menos, lança no ar cerca de 54 g/km de gás carbônico.
Ou seja, as motocicletas emitem menos de 1/3 dos valores dos automóveis. Quando fala-se em poluição, outro fator agravante são os congestionamentos. "O pior regime de operação do motor é em marcha lenta", diz Homero Carvalho, gerente da CETESB. "Do jeito que as novas tecnologias estão surgindo, temos um horizonte favorável. Agora dependemos de um custo/benefício mais acessível", acrescenta. Assim, utilizar motocicletas faz bem para seu bolso, devido à economia, e para a saúde. E, no futuro, as emissões devem diminuir ainda mais, preservando a natureza.

Economizando vidas
O excesso de gases estufa na atmosfera, entre eles o CO² (dióxido de carbono), provoca o aquecimento global. Com uma camada cada vez maior de poluentes, os raios solares ficam retidos ao redor do planeta, aumentando a temperatura. Os números obtidos no relatório de análise do ar da CETESB, de 2006, mostram que um carro emite três vezes mais CO², por km rodado, que uma motocicleta.
Isso sem falar, que, com os grandes congestionamentos, os carros levam horas para atravessarem poucos quilômetros. Enquanto isso, as motos já chegaram a seu destino e tiveram seus motores desligados. Esse fator, torna impossível calcular o real benefício ao meio ambiente. Entretanto, você pode fazer a conta de quanto CO² economiza andando sobre duas rodas. Pegue um lápis e veja o quanto. O planeta agradece!

Combustível ruim polui mais
A inspeção veicular de poluentes começou em São Paulo, SP, no início de fevereiro. Das 3 934 motos vistoriadas em um mês e meio, 786 acabaram reprovadas. O número corresponde a 20% do total. Um fator que estava agravando as reprovações foi a má qualidade dos combustíveis utilizados. Assim, a Secretaria do Verde e Meio Ambiente descartou o quesito diluição, que corresponde à queima do combustível.
"No começo estava com uma certa desconfiança em relação às inspeções, mas, percebi que também temos culpa e precisamos nos preocupar com a poluição. É importante manter os veículos em ordem para preservar o planeta", disse Ramatís Piscirilli Ramos, proprietário de uma Amazonas 1600 aprovada na inspeção. Para evitar a reprovação na vistoria, cuidar do meio ambiente e, conseqüentemente, da saúde, é importante deixar a mecânica da moto sempre em dia e tomar muito cuidado com os locais onde abastece.
Promot3
Com a entrada em vigor do Promot3, em janeiro de 2009, os níveis de emissões de poluentes exigidas às motocicletas equipararam-se aos outros veículos. Em alguns casos, chegam a estar até abaixo. E, após o lançamento da CG 150 Titan Mix, os índices da motocicleta rodando com álcool mostram o tamanho do passo que foi dado. É importante lembrar que o Proconve existe há 20 anos, enquanto o programa para motocicletas há apenas 6 anos.

Um comentário:

  1. Hoja as empresas de Motos estão conscientizadas que precisamos preservar o meio ambiente e ter motos menos poluentes.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação e opinião.