segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Curta Metragem "Inca"

Pedro é um jovem brasileiro, que viaja sem destino pela América do Sul, em busca de um local para dormir, encontra uma antiga vila isolada no interior do Peru, onde fica por alguns dias. Lá conhece a menina Ester, o pai dela Raul, e a avó Cláudia. Momentos de descoberta, emoção, e colaboração. Numa viagem em busca por si mesmo, Pedro descobre que os lugares por onde passa, assim como ele, nunca mais serão os mesmos.

Esta é a sinapse do Curta metragem “Inca”, que participa do projeto chamado “histórias curtas”, que reúne as melhores produções audiovisuais do Rio Grande do Sul. Uma iniciativa muito legal patrocinada pela RBS TV, afiliada da Rede Globo aqui no Estado, que tem por objetivo apoiar os diretores e cineastas, na maioria iniciantes, na produção de curta-metragens selecionados e apresentados na TV, na programação local da RBS. O produto desta iniciativa são excelentes filmes, que merecem ser assistidos.

Pois, no último sábado ao meio-dia, horário em que se apresentam os curtas, fui surpreendido de forma positiva pelo filme “Inca”, que foi totalmente gravado no Peru, durante cinco dias, com a participação do ator porto-alegrense Eduardo Cardoso. As demais interpretações são feitas por não-atores que o diretor Bruno Carvalho selecionou nas próprias locações do curta.

Por que estou falando e compartilhando este curta metragem em um blog dedicado a Moto-viagem?
Por três motivos:

1° - Porque podemos ver (para quem já foi, rever) as magníficas paisagens do Peru, entre elas as cidades de Machu Pichu, Lima e o incrível povoado de Ollantaytambo, este último me impressionou por demais (veja aqui o relato da nossa passagem por Ollantaytambo), onde aliás, se passa boa parte da história. Todos, destinos míticos para os Motoviajantes. Poder rever estes lugares nesta produção gaúcha foi o maior barato.

2° - O filme conta também com uma motocicleta, que é importante para o encadeamento de diversas situações da história.

3° - O filme fala das inquietudes de um jovem em busca de si mesmo, em busca do seu lugar, da sua busca pelo auto-conhecimento, que se dá através de uma viagem sem destino pela América Latina. Situações, sentimentos e inquietudes que acompanham a maioria de nós, talvez por isto somos motociclistas viajantes.

Como os filmes são reproduzidos somente no RS, quem tiver o interesse de assistir a outros curtas do projeto, acesse o site do projeto e assita também outras excelentes produções, não só desta edição, mas também das edições passadas.

Bom filme. Espero que gostem:


Ficha Técnica:
Título Original: Inca;
Direção: Bruno Carvalho;
Roteiro: Bruno Carvalho, Edison Rodrigues, Felipe Rosa e Pedro Tergolina ;
Elenco: Eduardo Cardoso, Jaquelin Medrano, Hermitania Canal e Jose Luis Olivera;
Produtora: Matilha Filmes;
Realização: RBS TV;
Ano: 2011.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

As cinzas do Vulcão, os amigos, a volta ao mundo, e as cinzas em minha casa

Fumaça do vulcão Puyehue vista do vilarejo de Rininahue, Chile - Foto de Claudio Santana (Fonte: Veja)

O título deste post ilustra como funciona o nosso cérebro. Ele funciona por sinapses, ou seja, um acontecimento relembra outro, que relembra outro e quando nos damos por conta, estamos lembrando fatos, pessoas e histórias que, pouco ou nada tem a ver com o pensamento ou acontecimento ocorrido no início de nosso processo de refletir ou pensar.
Vejam só: Hoje quando cheguei em minha casa vindo do trabalho, me deparei com a casa (assoalho, mesa, etc...) coberta por uma fina camada de pó. Nada mais que as cinzas do vulcão Puyehue do Chile. Desde ontem aqui no estado do Rio Grande do Sul o céu está encoberto por esta nuvem de cinzas.
Imediatamente me lembrei de nossa viagem em 2009, quando visitamos a região dos lagos, aliás lindíssima, onde percorremos a rota dos 7 lagos, ainda não asfaltada (não sei se hoje já concluiram o asfaltamento = na época estavam em obras), que liga Vila Angostura a belíssima São Martin de Los Andes. Lembro da poeira que comemos neste trajeto. Passamos pertinho do vulcão quando cruzamos a Argentina pelo Paso Aymore em direção ao Chile, local onde a Cordilheira dos Andes possui uma das suas menores alturas, mesmo assim estamos falando de altitudes de 3.000 m.a.n.m.
Assim se processam as sinapses: A cinza do vulcão hoje em em nossa casa, que lembrou o vulcão Puyehue, que lembrou a viagem de 2009, que lembrou o pó que comemos na ruta de los 7 lagos, que lembrou a travessia da cordilheira a caminho do chile, que acabou lembrando sabe o que? Os amigos feitos no deserto do Atacama, mais precisamente no Paso de Jama (divisa entre Argentina e Chile), por ocasião da viagem de 2010, denominada “Nas Asas do Condor”. Eles iniciando sua viagem de aproximadamente 1,5 anos ao redor do mundo e nós retornando de nossa viagem ao Peru.
E porque lembrou os amigos Fernando e Danuza? Porque, por incrível que pareça este extraordinário casal, que relatou toda a sua viagem denominada Word Experience em um site do mesmo nome, já retornando de sua viagem ao redor do mundo a bordo de sua Land Rover, apelidada de Pezão, volta ao continente americano pela Argentina e acaba se instalando na Região dos Lagos, justamente no mês e no dia em que o Vulcão Puyehue entra em erupção, fechando vários aeroportos e 3 meses depois, ou mais precisamente hoje, trás as suas cinzas até a nossa casa.
Sinapses, que me lembram cérebro, que me lembraram de fazer este post, que me lembram..., Ah!!!! deixa pra lá....

domingo, 16 de outubro de 2011

Mês da Criança e o Paraguai

Panteão Nacional dos Heróis em Assunção

Outubro, é o mês da criança em quase todo o mundo, ou talvez em todo o mundo. Somente o Paraguai não comemora o dia da criança em Outubro, mas sim no mês de Agosto, em homenagem, em lembrança, em tributo a um dos capítulos mais vergonhosos da história do mundo. Me refiro a batalha conhecida como batalha de Los Niños, a derradeira batalha da Guerra do Paraguai, antes da derrota completa deste país com a morte de Francisco Solano Lopes, seu presidente. Na verdade a homengem, absolutamente necessária, é pelas 3.500 crianças sacrificadas nesta batalha, ocorrida em Acosta Ñu, no Paraguai.
Acosta Ñu foi uma das mais terríveis batalhas da história militar do mundo e última resitência da nação paraguai na vergonhosa Guerra do Paraguai patrocinada pela Inglaterra e executada pela Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai), tendo o Brasil como maior exército envolvido nesta guerra.
De um lado, estavam os brasileiros com 20 mil homens. De outro, no meio de um círculo de soldados inimigos, os paraguaios com 3.500 soldados de 9 a 15 anos, não faltando garotos de 6, 7 e 8 anos! Juntos às 3.500 crianças paraguais, combatiam 500 veteranos do exército paraguaio, comandados pelo General Bernardino Caballero.
Esta batalha, acontecida no dia 16 de Agosto de 1869, começou pela manhã, num campo aberto e é conhecida como a batalha de "Los Niños". É o símbolo mais terrível da crueldade da Guerra do Paraguai: as crianças de 6 a 8 anos no calor da batalha, apavoradas, agarravam-se às pernas dos soldados brasileiros, chorando, pedindo que não as matasem. E eram degoladas no ato. Escondida nas selvas próximas, as mães observavam o desenrolar da luta. Não poucas pegaram em lanças e chegaram a comandar grupos de crianças na resistência. Finalmente, após todo o dia de luta, os paraguaios foram derrotados. Pela tarde, quando as mães vieram recolher as crianças feridas ou enterrar os mortos, o Conde D'Eu mandou incendiar a macega. Neste braseiro, viam-se crianças feridas correr até caírem vítimas das chamas.

Faço esta introdução, aproveitando a sinapse de dois temas, o mês da criança e o Paraguai, para falar deste país, tão explorado, massacrado e hoje com tantas dificuldades, decorrente especialmente desta vergonhosa guerra, como uma possibilidade ainda a ser explorada pelos motoviajantes. Pelo que tenho lido e percebido, engana-se quem pensa que a ida para o paraguai somente vale a pena em função das compras.
Afirmo que ainda é uma possibilidade a ser explorada, pois, em minha pesquisa sobre o tema, tive dificuldades de encontrar algum motoviajante que tenha ido ao Paraguai e tenha postado relatos na Internet. Encontrei o excelente blog/site do casal Jota e Tana de Curitiba, que fizeram este tur pelas estradas Paraguaias em Março deste ano, e relatam esta viagem em seu blog. Outro interessante relato (não de motoviajante), para quem quer saber um pouco mais sobre o turismo no Paraguai é o blog Viagem, de Priscila De Martini.
E a relação mais pormenorizada e estruturada que encontrei sobre o turismo no Paraguai está na Wikipidia. Muito interessante. 
Enfim, o Paraguai é ainda um destino a ser descoberto e explorado pelos amantes da Motoviagem. Quem tiver dicas, ou quem quiser compartilhar informações ou mesmo o relato de sua motoviagem ao Paraguai, entre em contato.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Cenários de Motocicleta

O Blog está de cara nova e evolui na sua proposta. Agora seu nome é "Cenários de Motocicleta", em substituição ao "Álvaro e Adelaide Mundo afora". A idéia a partir de agora é forcar ainda mais no mundo da moto viagem, trazendo assuntos e temas relacionados a este universo, especialmente, compartilhando relatos e dicas de viagens, não só nossas, mas especialmente de outros tantos moto-viajantes por este mundo afora.
Inspirados pelo espírito destes heróis é que reinauguramos este portal.
Conto com todos nesta nova viagem.

domingo, 10 de julho de 2011

Penalidade Máxima

"Um segredo que precisa ser contado. Mateus terá que fazer e assumir suas escolhas. Mas quando? Qual o melhor momento? Quais as conseqüências? Sua família aceitará? Somente contando, Mateus obterá as respostas".

O Vídeo abaixo é uma das histórias curtas da RBS TV, edição 2007. "Penalidade Máxima" (confira a ficha técnica clicando: aqui). Vale a pena assisti-lo. Além de super bem feito, o filme de 12 minutos é leve, bem-humorado, emocionante e celebra acima de tudo a amizade, o amor e o respeito as diferenças. 

Atentem no finalzinho do filme para o diálogo "derradeiro" entre o pai e o filho (você vai se emocionar).

O Filme teve a participação direta do amigo Rodrigo Valente, grande figura. Acompanhei um pouco do entusiasmo do Rodrigo durante a realização do curta e sempre tive vontade de compartilhá-lo aqui no blog. Valeu a pena Rodrigo: mais uma vez parabéns e obrigado por nos brindar com uma obra tão bacana.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

A partida - Da Série: Frases e Citações Memoráveis

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos".

Fernando Pessoa

sábado, 14 de maio de 2011

O Sofrimento - Da série: Frases e Citações Memoráveis

Definitivo

"Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos

o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções
irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado
do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter
tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que
gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas
as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um
amigo, para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os
momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas
angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.

Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.

Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo
confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma
pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez
companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.

Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um
verso:

Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não damos, nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do
sofrimento,perdemos também a felicidade.

A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional..."

Carlos Drumond de Andrade

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Documentário Caminhos da América

Vantuir Boppré, grande motociclista Catarinense, cujo currículo é engrossado por milhares de quilômetros pilotando uma motocicleta em jornadas interessantíssimas, entre elas a travessia da transamazônica em viagem solo (cuja empreitada rendeu um saboroso livro com o título "Transamazônica: Uma estrada para ser vista da lua"  - já matéria deste blog), agora nos brinda, juntamente com o fotógrafo e também motociclista Cléber Bonotto, mais o apoio do Grupo RBS, com o documentário "Caminhos da América", que poderá ser assistido em programação que se inicia amanhã no RBS Esporte (só não sei se passará no RBS Esporte aqui do RS, todo caso estarei amanhã conferindo = procurei na programação de ambos e nada consta). O capítulo de amanhã será o primeiro de mais 5 que serão exibidos todos os sábados neste programa. Para quem não puder assistir, ou se interessa em adquirir o DVD com a íntegra do documentário poderá enviar um e.mail para Vantuir: vantuirsc@gmail.com , onde receberá todas as instruções para a compra.
Sinopse do documentário:
A América do Sul é um continente fantástico e quase inatingível pelas limitações geográficas, climáticas e pelos obstáculos naturais impostos pela natureza (cordilheiras, desertos, salinas e vales). Neste cenário o documentarista Vantuir Boppre e o fotógrafo Cleber Bonotto percorreram de moto mais de 11.650 km em 26 dias de viagem passando por 5 países. Além de registrar todo o cotidiano da expedição, como lugares, dificuldades, opiniões, caminhos e entrevistas, o documentário, Caminhos da América, registrou ainda todos os preparativos que envolvem uma expedição desse porte como: A montagem do roteiro, a preparação das motos, o treinamento dos pilotos, a escolha dos equipamentos de navegação entre outros..
Duração: 80 minutos.

Transcrevo o convite que recebi de Vantuir por e.mail:

Olá Amigos!
Gostaria de informar que a partir de amanhã no RBS Esportes (09:30H) começará a passar o Documentário Caminhos da América (Produção minha em parceria com o fotógrafo e amigo Cleber Bonotto).
O Documentário passará durante 5 semanas sempre neste horário aos sábados e abordará toda a preparação e desenvolvimento de uma grande viagem de moto que percorreu 5 países durante 26 dias percorrendo 11.650 km.
Já temos disponível também o DVD da viagem. Interessados em adquirir podem solcitar através deste e.mail :vantuirsc@gmail.com

Abaixo o Clip do Documentário:

domingo, 24 de abril de 2011

De Motocicleta pelas Carreteras da América do Sul - Lançamento do Livro de Renato Lopes

Sou um entusiasta e apoiador da literatura de viagem, principalmente as escritas por pessoas como nós, simples mortais, que a muito custo empreendem suas viagens e que acabam por menores ou maiores que sejam, sendo fantásticas.

Neste aspecto ainda os livros de motoviagem ganham de mim o mais profundo respeito, pois servem para além entreter e divertir, também para inspirar, apoiar e orientar outros motoviajantes. Eu mesmo coleciono livros de motoviagens. Merece todo louvor e incentivo quem se dispõe a nos brindar com suas obras, relatando suas viagens, pensamentos, reflexões e aventuras.

Agora, quando o livro de motoviagem é escrito por um ser humano exemplar, nascido para fazer o bem e de uma elegância de caráter e modos e que tive a honra e o privilégio de conhecer, é que me faz vibrar e me enche ainda de mais alegria.

Estamos falando do segundo livro de um ícone da Motoviagem. O primeiro livro deste sujeito é excelente (já foi matéria deste blog) e é leitura obrigatória para quem pretende empreender uma viagem de motocicleta. O Segundo deve vir melhor ainda.

Estou falando do lançamento do segundo livro do Motoviajante Renato Lopes, da qual compartilho o convite que recebi:

CONVITE:

RENATO LOPES e a Direção do MOTOGARAGE

tem a honra de convidar V. Sª. e família para o lançamento do livro "De Motocicleta – Pelas carreteras da América do Sul - Os 13 países em 63 dias”, que acontecerá no MOTOGARAGE Botequim, em Santa Maria.

Data: 27/04/2011;
Hora: A partir das 19 h e 20 min até às 23 h e 30 min;

Endereço: Rua Floriano Peixoto, quase esquina com Av. Medianeira.
 



A despedida - Da Série: Frases e Citações Memoráveis

- Diga-me, Legolas, por que vim nesta Demanda? Mal sabia onde o maior perigo estava. Elrond estava certo quando disse que não podíamos prever o que poderíamos encontrar em nosso caminho. O tormento no escuro era o perigo que eu temia, e esse perigo não me demoveu. Mas eu não teria vindo, se soubesse do perigo da luz e da alegria. Agora, com esta despedida, sofri o meu maior ferimento, e não poderia haver pior nem mesmo que eu tivesse de ir nesta noite, diretamente ao encontro do Senhor do Escuro. Pobre Gimli, filho de Glóin.

O Senhor dos Anéis, volume 1: A Sociedade do Anel, pág. 403 (Diálogo entre o Anão Gimli e o Elfo Legolas, logo após a partida da cidadela élfica de Lórien).

sábado, 23 de abril de 2011

Quanto Vale o Seu Tempo ?

Compartilho o ótimo texto de Fábio Colaferro, extraído do seu também excelente blog: Vida Vivida:

Quanto Vale o Seu Tempo?

Qual o valor do seu tempo ?
Todos os sentimentos, emoções e declarações que eu leio sobre as viagens de moto são tocantes e verdadeiros! Compartilho com cada um deles. Mas nestes relatos ainda faltava alguma coisa que eu não sabia o que era …
Ouvindo o Amir Klink em uma palestra, contando sobre sua primeira aventura na travessia do Brasil à África, caiu a ficha para mim. Era o que estava faltando para completar as definições deliciosas sobre estes momentos. Ele disse: “- Tudo o que eu queria, por um ano, era ser o dono do meu tempo !”.
Achei este pensamento sensacional e, para mim, este é o grande barato das viagens de moto. Ser dono do seu tempo por uns dias que seja, nem precisa ser doidão como ele que fica um ano vagando no oceano. Mas o importante é isto: ser dono do próprio tempo e fazer o que quiser com ele. Um dos maiores luxos do ser humano, pois o tempo é o bem mais precioso que temos!
Por outro lado, como ele próprio diz, por mais que estivesse sozinho no mar, descobriu que isto é uma ilusão. Conseguimos ser proprietários somente parciais do tic-tac. No dia seguinte vêm os afazeres obrigatórios. No caso dele, produzir água potável, consertar o barco, preparar as refeições, etc. No nosso, tirar as malas, abastecer, procurar hotéis, calibrar os pneus, se apressar na estrada para não chegar após escurecer.
Mas a despeito destes aspectos operacionais, o tempo é todo seu! E naqueles dias, nenhum oficial de justiça, gerente de banco, aquele vizinho ou cunhado vai te achar e te chatear!
Apesar de ter os roteiros traçados, temos toda a liberdade para acelerar mais, ir além, parar totalmente, mudar os rumos ao bel-prazer.
Eu gosto das “viagens-solo”: aquelas paradas em que o clique só faz sentido para mim. Manobras complexas … parar, voltar 500 metros, estacionar, tirar as luvas, retirar a câmera e captar o momento. O registro de um estado de espírito quando sou tomado por viva admiração, encantamento! Aquelas coisas que provocam fascínio e sedução em mim, mas não necessariamente em você!
E escrevendo isto, vou tendo a certeza do meu egoísmo. Mas a verdade é que possuir o tempo é algo tão raro em nossas vidas que quando isto é possível, eu valorizo esse privilégio. Inteligentemente, deixo o sentimento de culpa de lado, constato que eu me mereço e a jornada se torna ainda mais prazerosa.
Em tempo: “viagens- solo” têm as suas desvantagens, como tudo na vida. É como a piada do cara que come a Sharon Stone em uma ilha deserta e sua aflição por não ter ninguém para contar ! Além de não poder culpar nem falar mal de ninguém, nem contar mentiras ou ampliar os seus feitos.
No dia-a-dia temos que nos adequar ao tempo dos outros: do filho, do chefe, dos boletos de pagamento que chegam implacavelmente antes do vencimento. Somos conduzidos a nos adequar aos padrões e comportamentos que os outros têm em relação à nós ou pior, em relação à posição que você ocupa. Todos estes são fatores ladrões do nosso tempo! Verdadeiros saqueadores!
E o mais incrível é que por vezes ficamos com vergonha ou receio do que os outros vão pensar das nossas aventuras, das viagens, da “vagabundice” de ficar por aí andando de moto.
- Ora, vá a mer&%#! Ninguém tem nada a ver com isto (fora a sua esposa, filhos, pessoas que dependem de você, etc. Ok, juntos eles somam mais ou menos um quarteirão, mas …ok).

* * * * *

Só você e o vento. Avaliando momento a momento suas burradas, suas histórias, suas decisões, sua vida. Sem precisar dar satisfação a ninguém.
Para alguns, principalmente para os melhores amigos, já desisti de explicar minhas viagens. As perguntas mais delicadas são mais ou menos assim:
“ – Não é a coisa mais imbecil do mundo andar 10 mil quilômetros em 20 dias ? De moto ainda ?! Sozinho ? Sempre te achei meio inconseqüente !“
Não, não me acho um total imbecil por isto. Ruim é viver a vida sem reservar parte dela só para você. O instante de vida eudaimônico. Aquilo que não é meio para nada porque já é o máximo que se pode pretender.
Este conceito, que é bem legal, diz que, quando há eudaimonia, a pergunta sobre a finalidade do que se está fazendo não pode encontrar nenhuma resposta. É a vida que vale por ela mesma, no instante em que é vivida.
Sou pretensioso e quero olhar para trás dizendo: “ – Minha vida foi bem vivida !”.

domingo, 3 de abril de 2011

Choro de Amor

Caros amigos, desde o dia 18 de Março nos faz companhia o pequeno Artur, um alemanzinho lindo, querido e que tem nos inundado de alegria e amor.
Que experiência excepcional é esta de ser pai. Acompanhar o parto, e escutar pela primeira vez o choro de seu bebê pode ser comparado a uma explosão; a uma explosão, sei lá, de adrenalina, de endorfina e de todas as inas ou substâncias que nos entorpecem, que amolecem as nossas pernas e nos fazem chorar. É um momento da mais absoluta emoção. Explosão de emoção. É pura emoção. Que momento lindo. Que sensação única.
Bem, hoje este rapazinho já faz parte de nossas vidas e tem nestes últimos dias nos absorvido de forma significativa, especialmente a Adelaide (Como já escrevi neste blog: Nesta viagem de nos transformarmos em pais, "A mãe é a a piloto, o pai o garupa". Ambos tem um papel e ambos são importantes para a viagem, mas cada um tem seu papel, intransferível). Mas está valendo muito a pena. É uma fase de nossas vidas, que ficará gravado em nossas memórias e que nos lembraremos com muito carinho.
Tenho feito muitas descobertas nesta caminhada recente. Sempre achei que choravamos por tristeza ou por alegria, mas descobri com o nascimento do Artur que existe o choro de Amor. É verdade: Choro de Amor... Não sei se me entendem!!! Choro de amor é quando nos vemos, fitando este pequeno tesouro que é o nosso filho e começamos sem mais, nem menos, a chorar. Flagrei por diversas vezes a Adelaide olhando para este tesourinho, chorando e chorando. Chorando um choro macio, tranqüilo, contemplativo, chorando um choro de amor.
Foi aí que descobri o que existe o choro de amor.
Bem vindo ao mundo Artur. O pai e a mãe te amam muito.

terça-feira, 29 de março de 2011

A Pessoas vivem para que?

A Pessoas vivem para que?
Assistam a este clip. Lindo, comovente, inspirador.
Motociclistas e motoviajantes, deliciem-se com esta história.

domingo, 13 de março de 2011

O blog viagemdemoto.com

Tenho estado afastado do blog por alguns motivos. O principal deles diz respeito a nossa recente mudança de domicílio. Agora moramos no interior do RGS, em uma cidade chamada Rolante, situada em um região belíssima, com muita natureza, pois estamos aos pés de um dos últimos redutos da Serra do Mar aqui em nosso estado. A região também ainda é pouco conhecida, motivo pelo qual quero explora-lá e compartilhar com os seguidores deste blog estas expedições.

Também estamos envolvidos com a gestação da Adelaide. O Artur está para nascer e tenho estado de sobre-aviso para a qualquer momento rumar para o hospital.

A função da mudança, que a propósito, nos proporcionou voltar a morar em uma casa (estava realmente aborrecido de morar em apartamento), não permitiu ainda a instalação do acesso a Internet, aliado, como falei, a atenção constante com a possibilidade da vinda do Artur a  qualquer momento, está me fazendo ser relapso com o blog. Sofro com isto e pretendo a partir de agora retomar as atividades.

Inicio, compartilhando o blog: viagemdemoto.com, do amigo ainda virtual, Rômulo. Ele nos brindou com um post dedicado a viagem "Nas Asas do Condor", o que nos encheu de orgulho. A propósito, confira o blog do Rômulo, que é de uma excelente qualidade, dedicado exclusivamente ao motociclismo de viagem. Muito Bom mesmo. Obrigado Rômulo pela tuas palavras. Confiram o seu texto:

Apesar de ter começado a pilotar somente em 2008, o motociclista Álvaro Link já acumulou bastante experiência em viagens longas na companhia de sua esposa Adelaide. Pilotando uma Honda Falcon, ambos rodaram bastante pelo Brasil, foram a Punta Del Este no Uruguai e até a Ushuaia, no extremo sul do Continente Americano.
No período de 6 de janeiro a 5 de fevereiro de 2010 eles fizeram mais uma viagem de moto, desta vez até Machu Picchu, no Peru, percorrendo mais de 11.000 km de estradas do Brasil, Argentina, Chile, Bolívia e Peru.
Nesta viagem eles conheceram, dentre outros lugares, o Deserto do Atacama e o Lago Titicaca, além da própria Machu Picchu, alguns dos mais cobiçados destinos de motoviajantes de todo o mundo.
Destaque para o processo de preparação da viagem, feita de forma bastante metódica, o que faz com que o leitor se sinta como participante de todo o processo e, claro, da própria viagem. Também se destaca o relato feito a posteriori, com textos, fotos e impressões de ambos, piloto e garupa.
Quando estavam para sair de Cuzco, no Peru, em direção a Puno, na Bolívia, chuvas torrenciais aplacaram a região causando inundações e grandes dificuldades para os moto viajantes. Os estragos foram amplamente divulgados pela imprensa na ocasião porque vários Brasileiros ficaram isolados por causa de estradas interrompidas. Mas eles conseguiram cumprir o trajeto, apesar do transtorno e das dificuldades causadas. Visitaram Machu Picchu um dia antes da passagem ser interrompida.
O diário muito bem detalhado da viagem, também muito bem planejada e as belas fotos está no blog Nas asas do condor - Uma viagem ao umbigo do mundo. Para navegar, utilize o link existente no fim da página, à esquerda, com o nome Postagem mais recente.
Durante a viagem eles foram mantendo seu blog com notícias resumidas sobre os pontos mais importantes ocorridos, só postando informações mais detalhadas quando tinham acesso à internet. Depois que retornaram completaram com fotos e informações bem mais detalhadas. Se quiser ir direto para esta parte mais detalhada, existem links à direita, num campo intitulado Relato da aventura dia a dia - Aqui você confere o diário da viagem ao Umbigo do Mundo.