domingo, 17 de junho de 2012

Casal de motociclistas: Ele deficiente visual e navegador, Ela a piloto

Hoje compartilho mais uma bela história de motociclismo, ou melhor, uma história de amor e companheirismo. Trata-se da história do casal Io e Jurema, ele deficiente visual e garupa nas viagens do casal, ela a piloto. Juntos desbravam o mundo em viagens que são curtidas intensamente e que muitos, mesmo gozando da mais plena saúde, não se atrevem a enfrentar. Ficam somente nos sonhos e nos projetos. A propósito, o maior medo do moto viajante é o de não partir. A história me foi contada pelo amigo João Serra, que enviou o link do Inema onde o relato abaixo está publicado. É uma história admirável, proporcionada pelo motociclismo e pelo verdadeiro significado da palavra amor:

O motociclismo mudou as suas vidas
Tendo o maridão Io como grande companheiro de aventuras e seu fiel garupa, que é apaixonado pelo motociclismo desde quando enxergava (hoje ele é deficiente visual), o casal teve dois filhos gêmeos que também vivem sobre duas rodas. A família já moto andou pelo Atacama, Ushuaia, Machu Picchu, Bariloche, Osorno e outras rotas comuns que todos os motociclistas amam rodar.
"Apesar de não enxergar, quando motoviajamos, o Io é o meu navegador, programador, estrategista, mecânico, controlador de velocidade, relações públicas e namorado, é claro", afirma Jurema, contando da relação de parceria que rola nas viagens.

Motoaventuranças
A primeira viagem longa foi ao Atacama em abril de 2007, subindo pela Argentina e voltando pelo Chile (até Santiago), passando por Mendoza novamente na Argentina e entrando no Brasil pela cidade de Uruguaiana.
Em 2008 eles foram para Machu Picchu, Jurema e Io juntos entram na Bolívia, viajando pelo trem da morte, passando pelo Peru e no retorno subindo pela Amazônia peruana, voltando ao Brasil por Assis, no Acre.
No ano de 2009, em grupo desceram Ushuaia, passando por Puerto Madryn e El Calafate, locais que não podem passar em branco.
No ano passado, no mês de maio apenas os dois rumaram a Bariloche, passando por Osorno e subindo a Panamericana até Santiago, repetindo a volta por caminhos já conhecidos por eles. Tiveram sorte, após uma semana de chegada aconteceu a explosão do vulcão PuyeHue, eles ficaram muito tristes ao verem as fotos de como se quedou toda aquela belíssima região, especialmente na Patagônia.
"Sempre estamos acompanhando os relatos e fotos dos viajantes que escrevem para o INEMA, acumulando as informações lá publicadas e muito úteis para os nossos roteiros", contou a aventureira.

Desafios da Jornada
Sendo uma mulher amadurecida na vida, a estradeira Jurema no auge de seus 58 anos, relata que já enfrentou muitas críticas dos familiares e até de amigos por pilotar e levar o marido na carona, tais como: "já não tens idade para estas coisas” ou “o marido merece o prêmio Nobel da coragem". "O que nos interessa é motoviver, há muito ainda para ver e conhecer pelas estradas do mundo", é o que ela responde a todos que os enxergam de uma forma diferente do ritmo comum que estamos habituados a conviver.

Projeto novo para 2012
Ainda com um projeto em andamento, o casal pretende neste ano ir até o Panamá, realizar um percurso de ida pelo litoral brasileiro e voltar pela Panamericana até Antofagasta, passar pelo Chile e pelo Atacama também está no roteiro para conhecerem locais em que não conseguiram visitar na viagem anterior.
Conforme Jurema:
"Motoviajar é motoviver, e motoviver é vivenciar a vida com intensidade, com toda a riqueza de sensações, de visões, de sons, de interação com o mundo à nossa volta... motoviajar é literalmente sentir-se parte do universo em que existimos".
Fonte: Inema











5 comentários:

  1. Uma Inspiração! Parabéns aos dois! Que Deus ilumine sempre seus caminhos! Estrada lisa e muita luz!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Que inspiração pra mim pegar minha Suzuki Moto e sair por ai também

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Uma vez peguei minha Moto  e fiz exatamente a mesma coisa

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação e opinião.