domingo, 1 de abril de 2012

Um Tributo a FALCON e Boas Vindas a TRANSALP

Iniciei neste mundo da moto viagem relativamente tarde. Mas a muito tempo acalentava o sonho de fazer algo, ao menos no entender da minha rede de convívio, "inusitado" (inusitado entre aspas, pois hoje sei que não é tão inusitado e tão pouco absurdo e difícil realizar grandes viagens de motocicleta). Foi assim que em 2007 comprei minha primeira motocicleta, mesmo sem saber andar de moto, e após me inscrevi em uma auto-escola, onde apreendi a pilotar (vamos admitir, sendo generoso com esta conclusão, que consegui apreender). Em Setembro de 2008, empreendi, sem muita segurança, junto com Adelaide (Santa e forte Adelaide, que teve a coragem de me acompanhar) nossa primeira grande viagem para Punta Del Este, no Uruguai, com o objetivo de nos testarmos e testarmos o equipamentos (E realmente foi um teste de fogo). A moto foi uma valente Falcon ano 2005, com seus já 13.000 km, batizada de Catarina. No retorno ela me deixou na mão, queimando a bobina, e atrasando minha volta em dois dias. Deus escreve certo por linhas tortas, pois, graças a este imprevisto, conheci uma das famílias mais queridas (João Serra, Mariângela e Lili), que já tive a honra de conhecer, justamente por estar na localidade da Quinta, município de Rio Grande, empenhado com nossa valorosa guerreira. Tudo isto relatei em um post em nosso blog, dedicado a esta primeira e incrível experiência de moto viagem. Após, dando seqüência a nossos planos de viagem, compramos nossa segunda Falcon, batizada de Catarina II, zero km (motivado especialmente pelo fato de querer viajar com uma moto que não gerasse dúvida = nada melhor que uma moto zero km), ano 2008, último ano de sua fabricação (Até hoje não entendi esta decisão da Honda, de interromper sua linha de montagem). Com somente 200 km rodados, fizemos com ela a nossa "Viagem ao Fim do Mundo", a Ushuaia, Torres del Paine, Perito Moreno, Bariloche e arredores e região dos vulcões no Chile, enfim uma viagem inesquecível pelos confins da Patagônia e Terra do Fogo (Nesta, vários tombos por conta do vento e do rípio, somados a minha até então inabilidade). Um ano depois, com esta mesma moto, conhecemos o Norte da Argentina, Chile (Atacama) e Peru (Cuzco, Machu Pichu e Nazca), viagem denominada de "Nas Asas do Condor: Uma Viagem ao Umbigo do Mundo" . Outra viagem maravilhosa, com esta valorosa Falcon (sem qualquer problema ou queda), da qual guardo um enorme respeito, carinhosamente chamada de Catarina II.
Mas chegou a hora de mudar e colocar em prática um sonho também a tempos acalentado, de melhorar e aumentar a cilindrada de minha moto. Muitas foram as opções analisadas (XT 660, V Strom 650, BMW 650 GS, Versys e Transalp), mas cresceu com o tempo a convicção de que a próxima moto deveria ser uma Transalp (Venceu com força a Transalp). Literalmente me apaixonei por ela, e nesta semana me despedi da nossa querida Falcon com dor no coração. Se pudesse guardaria ela como lembrança de sonhos realizados, para meu filho Artur. Mas as lembranças estão nas nossas mentes, nos relatos e nas fotos destes incríveis momentos que vivemos juntos.

Enfim, acabei por adquirir uma Transalp linda, ano 2012, na cor verde, com a qual desejo ser muito feliz e também dar continuidade a empreitadas de viagens e aventuras por este mundo. Fica aqui meu tributo as duas Falcon(s), tão importantes em nossas vidas.

Que a Catarina II, recém vendida, possa fazer seu próximo proprietário feliz e que ele nutra por ela o mesmo carinho que eu a tinha. Começo agora uma nova fase com esta "verdona", que ainda preciso batizar. 

Catarina (a primera Moto). Uma Falcon 2005 comprada com 13.000 km.

Catarina II (27.000 km pelas Rutas da américa do Sul). Falcon 2008, comprada nova (0 km)

Transalp 2012